Tema Acessibilidade

Água que salva e dá vida, bem sagrado!

A importancia do bem precioso, "a água"!

Senti muitas vezes o cheiro da terra molhada, das poucas chuvas que caiam no Sertão, sinal de vida, sinal de Deus para quem já não tinha mais esperança pela própria vida. Vida de sol a sol, dedicada a muitas vidas, destruídas porque à chuva que é vida, não vinha como deveria vir. Vida sem força, vida triste, vida parada, vida sacada pela maldade de alguém. Vida sofrida, rostos enrugados e mãos calejadas pela lida com a enxada cega sem vida, em ferrugem!

Água, sinal de Sertão feliz, pássaros cantam em sintonia. Sapos saem de suas tocas, orquestrando sons cadenciados. O umbuzeiro flora e seus frutos de vez amadurecem. O verde logo desponta, embelezando a paisagem, dando vida às vidas sofridas ressecadas pelo sol, que escalda o seu solo.

Águas que caem, enchendo os barreiros que sangram, que descem rumo aos rios, que irão matar a sede de quem tem sede. Água que refresca o suor de quem trabalha em busca de sustento e sobrevida de vida. Água que hidrata a vida do corpo, que vai levando sua própria vida. Vida humana que se torna desumana quando água falta, tirando a vida não hidratada!

Água bem sagrado, degradada pelo ser que dela precisa, Águas que alimentam vidas maltratadas e que delas necessitam. Sertanejos, também, é Sertão que seca, que pede água aos santos, que rezam e fazem romaria em busca da vida, que é água. Desperdícios de muitos, sem senso, sem vida futura!

Águas que hoje jorram rumo à escassez do amanhã, de grandes lagoas e rios, a pântanos sem vida, sem habitar, restrita a alguns que dela, há exploram. Ao mar que virará Sertão, que conselheiro narrava e profetizava. Assim, sem água, sem vida, sem nós!

Copyright © 2023. Todos os direitos reservados ao autor. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
0
±500 visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Marcelino Brito ESCRITO POR Marcelino Brito Escritores
-

Membro desde Julho de 2021

Comentários


Outros textos de Marcelino Brito

Prosa Poética
Bebedouro de histórias e tradições
História do segundo bairro da cidade de Maceió, na visão do autor.
Poesias
Sou pássaro, liberdade, sou ser vida!
A liberdade como símbolo: "O Passarinho".
Contos
Feiras livres, que de ti, recordo!
Recordações das feiras livres, principalmente, no interior nordestino.
Crônicas
Estrela Radiosa, o trem!
Travessia de uma locomotiva cheia de histórias, trafegando de Maceió à Lourenço de Albuquerque em Rio Largo.