Tema Acessibilidade

Por quê?

Reflexão sobre as razões pelas quais escrevo.

Linguistas e não-linguistas (meu caso) sabem que a escrita é mais ou menos como a fala. Uma não dá conta de tudo o que a outra encerra, mas ambas lidam com palavras. Da mesma forma, ler é mais ou menos como ver, ouvir, cheirar, saborear e tocar… Lemos com os olhos, mas o que se lê mobiliza ouvidos, narinas, papilas gustativas e pele.

Eu costumava dizer aos alunos de comunicação social que minha saudosa avó lia o mundo com avidez e profundidade. Ela nunca frequentou escola e, mesmo assim, percorria com os cinco sentidos, com a mente e com o coração os signos que textualizam a existência, esta Obra cujo autor (caso haja) prefere permanecer anônimo.

Disse em outra postagem (Paulo Freire e os direitos humanos) que, mesmo sendo professor, a escrita se ajusta melhor ao meu jeito de ser. Não importa qual é esse jeito, cada um o adivinhará (caso queira), mas importa saber que a escrita, assim como a fala, tem motivações as mais diversas. Podemos tagarelar por horas por simples desfastio e escrever calhamaços para divertir ou, por outro lado, discursar com rigor sobre um tema importante e escrever com apuro técnico sobre o que se esconde nas reentrâncias da mente e do coração.

Toda fala e toda escrita são igualmente lícitas, pois sempre houve quem preferisse ouvir o aedo narrar as aventuras de Odisseu a escutar Luther King explicando por que tinha um sonho; e sempre haverá quem prefira ler romances cor de rosa a decifrar obras que exigem participação ativa do leitor – e vice-versa.

Para cada fala, para cada escrita, um universo de ouvintes e de leitores no interior de um multiverso de preferências, todas legítimas!

Como diz o ditado, gosto não se discute, e é por esse viés e por nenhum outro que tento explicar o lugar de minha fala e de minha escrita no interior das vozes e das letras que transmigram de um universo ao outro, de mãos dadas ou de forma hostil.

Em outros tempos acreditei que escrevia para desabafar e por prazer, ou ainda por não conseguir expressar com a fala o que se passava no coração. Hoje entendo que nunca foi para desabafar e muito menos por prazer, pois minha escrita é incapaz de esgotar os miasmas que escapam do pântano existencial. A bem da verdade é um sacrifício, e não um prazer, labutar com as palavras em busca do sentido que transcende a enunciação: o sentido que advém do silêncio.

Escrevo, pois, em complemento à fala quebradiça e incompleta de quem gagueja ao discursar, mas não pode se conter. E não pode por quê? Poderia dizer, como o poeta, que escrevo porque a vida não basta, mas soaria falso vindo de mim, para quem a Obra é suficiente. Ou melhor, muito mais que suficiente: de tão abundante, ela transborda e inunda e, assim como o Nilo, permite.

Por me permitir, concebo que a Obra, que é bendita em si mesma, encerra em seu ventre o ser humano e suas contradições: a bondade e a maldade, a justiça e a injustiça, a riqueza e a miséria, as alegrias e as dores do mundo – contradições sobre as quais, ao meu modo e por não poder evitar, me debruço ao escrever.

https://marcosalexandrecapellari.wordpress.com/2022/03/08/por-que/

Attachment Image
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
0
±1000 visualizações •
Denuncie conteúdo abusivo
Marcos Alexandre Capellari ESCRITO POR Marcos Alexandre Capellari Escritores
-

Membro desde Outubro de 2020

Comentários


Outros textos de Marcos Alexandre Capellari

Reflexões
Paulo Freire e os direitos humanos
Reflexão sobre escrita e educação.
Resenhas
Obra Maldita - apresentação
Escrevi Obra Maldita em 2020, no início da Pandemia. Ocorreu-me, então, Beatriz, a narradora protagonista de um enredo futurista no qual as sementes do ódio e dos preconceitos dos nossos dias infelizmente deram frutos. (Editora In House, 2022).